1786 – José Teixeira da Trindade

Nasceu na cidade do Porto José Teixeira da Trindade. Tornou-se num destacado cidadão ligado ao comércio com o Brasil e ao negócio do ouro. Manteve estreitas ligações com a indústria da ourivesaria.Maria Delfina, sua filha única, casou com José Pinto Leitão.

1822 – Ourivesaria Popular

José Pinto Leitão registou o punção (marca pessoal de fabrico) “JPL” e abriu o seu negócio na Rua das Flores, o clássico arruamento dos ourives do ouro no Porto.“…O typo do estabelecimento d’aquella época era a loja-officina, em que o oficial trabalhava à vista do freguez, junto do «caixão», o balcão de venda ao lado. O artigo typico produzido era o «coração», a arrecada, o cordão, as peças que no norte se levavam à festa, à missa cantada, ao arraial…”

1837 – Casamento

Casamento de José Pinto Leitão com Maria Delfina, filha de José Teixeira da Trindade. Esta união teve um papel determinante para o desenvolvimento da casa Leitão.

1866 – Europa

A casa destaca-se no panorama nacional. Narciso e Olindo, filhos do fundador, dão continuidade ao negócio da família e adotam a designação de Leitão & Irmão. Modernizam o fabrico trazendo novos materiais, e investindo em maquinaria. Alargam-se ao exterior, constituindo filiais em Paris e Londres, desenvolvendo uma importante rede de contactos.

1872 – Brasil

D. Pedro II, Imperador do Brasil, concede a Leitão & Irmão o título de “Ourives da Casa Imperial do Brasil”. A ligação entre a Coroa e a casa Leitão remonta ao cerco do Porto (1832 / 1833), onde José Teixeira da Trindade estabelece relações particulares com D. Pedro IV de Portugal e I do Brasil.

1887 – Joalheiros da Coroa

No dia 1 de dezembro, D. Luís atribuiu à casa Leitão & Irmão o título de “Joalheiros da Coroa”. A Leitão & Irmão continuou a ser a escolha da Casa Real para a criação de presentes a familiares, amigos e personalidades. A rainha D. Maria Pia foi igualmente uma entusiasta e fiel cliente. Teve um papel determinante na aquisição de inúmeros objetos utilitários e decorativos, em prata e ouro, na sua maioria de requinte e sobriedade, reveladores de uma preferência pela estética do neo-rocaille.

1888 – Vaticano

Cálice oferecido por D. Luís ao Papa Leão XIII, para a comemoração do Seu Jubileu em 1888. Com particular demonstração de agrado, o Papa Leão XIII celebrou a missa do Jubileu com o cálice oferecido pelo Rei de Portugal.

1942 – Coroa em ouro e pedras preciosas

Coroa de Nossa Senhora de Fátima, uma das mais divulgadas joias portuguesa. Oferta dos portugueses em sinal de gratidão pelos seus filhos terem sido poupados aos dramas da 2ª Grande Guerra. A coroa, em ouro e pedras preciosas, resultado de uma campanha nacional de ofertas confiadas à casa Leitão, foi trabalhada durante três meses por doze artífices e tem cravadas em ouro 313 pérolas e 2679 pedras preciosas. Quase meio século depois, em 1984, esta obra ganhou outro relevo quando o Papa João Paulo II ofereceu a Nossa Senhora de Fátima a bala que o atingiu no atentado de 13 de maio de 1981 no Vaticano. A bala encontrou o encaixe perfeito no espaço vazio, deixado em 1942 na união das oito hastes que constituem a coroa de Rainha.

1942 – Coroa cinzelada em prata dourada

Coroa de Nossa Senhora de Fátima cinzelada em prata dourada. Para além da Coroa Preciosa, foi feita uma outra Coroa em prata dourada, para ser usada todos os dias. A Coroa preciosa é usada nos aniversários das aparições e outros eventos especiais.

1958 – Cristo-Rei

Alfaias em ouro. Inauguração do monumento do Cristo-Rei em Almada.

2000 – Jubileu

O presépio, da autoria da escultora Graça Costa Cabral. Formado por 15 figuras em prata, distribuídas numa base constituída por cinco placas de ardósia, a peça foi entregue ao Papa João Paulo II, em Fátima, por ocasião do Jubileu do ano 2000, finalizando a obra iniciada em 1981.

 

2003 – Terço da Luz

Por ocasião da celebração dos 25 anos de Pontificado de S. S. Papa João Paulo II e no encerramento do Ano do Rosário, a Casa Leitão foi convidada a criar um terço inspirado nos Mistérios Luminosos, uma peça única que marca os novos mistérios, entregue a Sua Santidade em evocação à sua ligação a Portugal.

 

 

2014 – Rosário do Novo Milénio

Lançada por ocasião dos 100 Anos de Fátima e da canonização do Papa João Paulo II, o rosário do Novo Milénio, em prata ou ouro e cristal de rocha, representa nele mesmo os quatro conjuntos de Mistérios que evocam a nova composição do rosário.

 

puncao peq